Feeds:
Posts
Comentários

Em várias cidades, como Barcelona e Paris, alguns museus são gratuitos no primeiro domingo do mês (ou pode ser outro dia). Penso que isso vale para museus públicos, pois nunca vi um privado fazer isso. Alguns museus são gratuitos no domingo à tarde ou ainda em sua última hora de funcionamento em alguns dias. Para saber, tem que pesquisar e pesquisar. A internet facilita: é só olhar antes na própria página do museu. Para museus em Barcelona, veja aqui.

O Louvre, por exemplo é grátis no primeiro domingo de todos os meses. Acontece que muita gente sabe disso e forma fila bem maior que o normal. Uma maneira de driblar isso é chegar bem cedo, mas também, experiência própria, entrar não pela entrada principal (a da Pirâmide). Ao invés de descer na estação Louvre/Rivoli, desça na Palais Royal/Musée du Louvre e tem uma entrada pela própria estação, que menos gente sabe. Independente de ser dia grátis ou não, a fila é menor. Depois você vê a Pirâmide…

Outros museus têm o preço reduzido se comprar online e/ou antecipado. Além da economia, sobra mais tempo, pois é uma fila a menos a enfrentar. O museu de cera de Londres, Madame Tussauds, possibilita isso: você compra mais barato online com até um dia de antecedência- de 30 libras por 22,50, uma economia de cerca de 30 reais por ingresso. Você marca o horário de entrada, mas prepare-se pois sempre há filas. Qualquer horário e época do ano. Então não chegue em cima da hora.

Carteirinha de estudante internacional na Europa não vale como no Brasil: há descontos, mas não necessariamente a metade do preço normal. Pode ser um desconto de 2 euros, por exemplo. Varia em cada lugar e você pode checar antes também.

Vários museus oferecem desconto ou até mesmo entrada gratuita para professores. Se você é professor, leve o comprovante brasileiro: carteirinha do sindicato, contracheque (uma tia entrou em Madrid com a carteirinha da Unimed do plano de professor… mas não sei se outro lugares aceitam isso). Na França e na Espanha, quase todos os museus e atrações turísticas oferecem descontos/gratuidade para professores.

Se você viaja em grupo, veja em cada atração turística o mínimo para comprar ingressos de grupo. Pode ser que o mínimo seja 10, 15 ou 20 pessoas. Além de ingressos mais baratos, em algumas atrações há entrada separada para grupos, que geralmente anda mais rápido que a normal.

Na Alemanha os trens são muito caros. Mas se você viaja com amigos, há uma opção para viajar até 5 pessoas com um mesmo ticket (no valor de 40 euros em 2015) nos finais de semana. Geralmente vale só para os trens mais lentos, mas vale a pena até fazer amizade na fila de compra do trem e rachar o ticket. Veja mais informações aqui.

No Museu de Cera de Londres, encontrei a Amy Whinehouse.

No Museu de Cera de Londres, encontrei a Amy Whinehouse.

No Madame Tussauds em Londres... Chris e seu sósia

No Madame Tussauds em Londres… Chris e seu sósia

O mestre do suspense, Hitchcock, também me surpreendeu no Museu de Cera em Londres

O mestre do suspense, Hitchcock, também me surpreendeu no Museu de Cera em Londres

O Brasil está representado non Museu de Cera em Londres: um Pelé jovem.

O Brasil está representado non Museu de Cera em Londres: um Pelé jovem.

Em alguns lugares da Europa o preço da comida é mais caro se você sentar à mesa. Se você sentar ao balcão o preço é mais barato, porque não há serviço. Se não houver balcão, você pode fazer como muitos locais, o clima permitindo: pegar a comida e sentar-se em uma praça ou parque.

Para alguns lugares turísticos, é fácil encontrar cupons de desconto online. Basta perguntar ao São Google assim: voucher ou discount + nome do lugar. Exemplo: voucher London Eye (a roda gigante de Londres, clique aqui).

Em Londres há uma promoção de 2 ingressos por 1 para algumas atrações, entre elas London Eye, Churchil Rooms e Madame Tussauds. Para que seja válida, você deve usar no dia em que tiver andado de trem. Aí que entra um “jeitinho” (não é jeitinho brasileiro, pois aprendi com um inglês!). Você pode ir à estação de trem e comprar os dois tickets para a estação mais próxima, que custa em média 2 libras. Nem precisa andar de trem, só mostrar o ticket… Para que seja válido, deve imprimir o voucher e apresentar o voucher e os tickets. Vale a pena pois são atrações caras, ainda mais em libras! Mais informações aqui:

http://www.daysoutguide.co.uk/2for1-london

2for1 london

anjos Teca e Gordon

Faz tempo que não posto sobre os anjos em minha vida, que me ajudam ou ajudaram de alguma forma em minhas viagens. No entanto, há ainda alguns que gostaria de mencionar.

Hoje falo de um casal que conheço desde pequenina. Teca e Gordon. Ela, maranhense amineirada. Ele estadunidense abrasileirado. Têm 3 filhos de sangue e uns quinhentos de coração. Eu gosto de pensar que sou uma das filhas do coração. Por que são meus anjos?

Em primeiro lugar foram fonte de inspiração: viajam o mundo fazendo missão, fazendo a parte deles para tornar o mundo um lugar melhor. Auxiliam e auxiliaram inúmeras pessoas a superar alguma situação de carência. Atuam como conectores entre aqueles que precisam de ajuda e aqueles que querem ajudar. Dentre os trabalhos organizados por eles está o Voluntários em Missão. Grupos de missionários metodistas dos Estados Unidos vêm ao Brasil de uma a três semanas para doar tempo e amor, além de recursos para construir templos, centros educacionais e projetos que fazem a diferença na vida das comunidades mais carentes.

Desde meus 15 anos, eles me chamaram para ajudar a traduzir para os grupos, que não falam português. Confiaram em mim também para compartilhar aspectos de nossa cultura com os voluntários. O contato constante com estes grupos ajudou muito a desenvolver minha fluência na língua inglesa. Além disso, o Gordon, que fala português fluente, conversava em inglês comigo. Já disse aqui que ser fluente neste idioma me abriu várias portas de trabalho e, claro, me proporciona viajar com segurança e me comunicar com gente do mundo todo. Além disso, também viajei como voluntária com estes grupos e conheci diversas partes do Brasil.

Ainda, a Teca me informou sobre a bolsa que me permitiu fazer o mestrado na Espanha. Ela também deu aulas de português para o Chris quando ele chegou e me deu dicas preciosas para ter um bom relacionamento intercultural- quem tem cônjuge estrangeiro sabe… :)

Por tudo isso e mais, eles são meus anjinhos e aquela família que a vida permite que a gente escolha.

Obrigada! Amo vocês!

Gordon e Teca na Tailândia.

Gordon e Teca na Tailândia.

Caraça é uma serra e um santuário ecológico em Minas Gerais. Há opções de lazer, descanso e aventura. Fauna e flora impressionantes. Imperdível. Veja o videopost.

Santuário do Caraça, Minas Gerais

Santuário do Caraça, Minas Gerais

Santuário do Caraça, Minas Gerais

Santuário do Caraça, Minas Gerais

Essa biblioteca do santuário pegou fogo e hoje as ruínas abrigam um museu. Lindo! Caraça,  Minas Gerais

Essa biblioteca do santuário pegou fogo e hoje as ruínas abrigam um museu. Lindo! Caraça, Minas Gerais

Santurário do Caraça, Minas Gerais

Santurário do Caraça, Minas Gerais

Montanhas da Serra do Caraça, Minas Gerais

Montanhas da Serra do Caraça, Minas Gerais

Caraça, Minas Gerais

Caraça, Minas Gerais

Lobo guará vindo comer pertinho da gente. Caraça, Minas Gerais

Lobo guará vindo comer pertinho da gente. Caraça, Minas Gerais

Os números de 2014

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2014 deste blog.

Aqui está um resumo:

A sala de concertos em Sydney, Opera House tem lugar para 2.700 pessoas. Este blog foi visto por cerca de 32.000 vezes em Se fosse um show na Opera House, levaria cerca de 12 shows lotados para que muitas pessoas pudessem vê-lo.

Clique aqui para ver o relatório completo

Esse videopost foi gravado em 2011, na Inglaterra, mostrando uma tradição natalina inglesa: os crackers.

Feliz Natal e um Excelente 2015 para todo/as!!!

Os crackers na mesa de Natal inglesa.

Os crackers na mesa de Natal inglesa de meus sogros, Linda & Toni Garner.

Tenho dado tanto esta dica verbalmente para quem vai para a Europa, que resolvi escrever aqui no blog. É que em cidades muito turísticas como Paris e Barcelona sempre houve golpes para arrancar dinheiro de turistas. Mas desde a crise de 2008, percebi um crescimento dos esquemas de usurpação, digamos assim. Já disse nos posts sobre segurança em Barcelona (aqui e aqui), como dificilmente um turista é assaltado, mas facilmente é roubado.

Nós brasileiros estamos acostumados à violência direta, ou seja, alguém nos apontar alguma arma, nos ameaçar e levar bolsa/carteiro/dinheiro/celular. Não estamos acostumados a maneiras mais sutis de perder dinheiro… Por isso, vale a pena ficar de olhos abertos. Alguns truques têm o princípio básico de te distrair enquanto a mão leve pega algo na bolsa. Outros usam estratégias mais elaboradas e outros esperam um momento de distração…

Quando estive em Paris pela última vez, em julho de 2011 fiquei até assustada, insegura mesmo. No período de meia hora, sofremos três tentativas de golpe (os descrevo para ajudar).

  • Eu havia ido a um museu e o Chris entrou em outro, perto, mas do lado oposto do rio Sena. Quando saí e ia ao seu encontro, duas adolescentes com véu na cabeça se aproximaram de mim, com cara de assustadas, perdidas e perguntaram: Charles de Gaule? Eu estava com o mapa na mão. Minha bolsa estava atravessada no meu corpo, pendurada em um ombro e apoiada na barriga, ou seja, estava voltada para minha frente. Eu desconfiei que era um golpe. Afinal, o que duas meninas iam fazer sozinhas no aeroporto de Paris? Elas se aproximaram apontando o mapa. Dei a elas o benefício da dúvida e abri o mapa. Eu segurava o mapa de um lado e uma delas de outro, de forma que o mapa ficou estendido sobre minha bolsa, a cobrindo. Só que afastei um pouco o corpo e fiquei de olho na bolsa. A menina que segurava o mapa, ficava apontando para nele e perguntando, tentando me distrair. Mas eu fiquei de olho na mão da segunda menina. Não deu outra: veio direto na minha bolsa. Eu afastei meu corpo e fiz que não com a mão, e elas saíram correndo. Não achando nenhum policial por perto, atravessei a ponte sobre o rio Sena para encontrar o Chris.
  • Quando atravessei, o vi do outro lado, conversando com uma menina que mostrava para ele uma prancheta. Eu já conhecia o truque das “mudas” em Barcelona. Umas meninas se fingem de mudas (e eu sei que não são porque já as vi conversando) e param as pessoas para mostrar uma prancheta na qual está um pedido de doação de um euro para a instituição delas. Enquanto a pessoa solidária assina o nome na prancheta, uma das meninas vem por trás e… adeus, carteira! No caso do Chris, era uma variação menos perigosa: simplesmente ela escreveu na prancheta “assinaturas” de outras pessoas e os supostos valores que eles doaram: 15, 20 euros. O Chris também estava dando o benefício da dúvida para ela e tentando entender, mas ele não sabia o que estava escrito em francês. Eu do outro lado, sem conseguir atravessar a rua, por causa dos carros. Mas ele é escolado e colocou as mãos nos bolsos, protegendo a carteira.
  • Fomos caminhando juntos ao longo do Sena, apressados para o próximo destino. Vejo um homem se abaixar e pegar um anel no chão e mostra para a gente com cara de surpresa. Nós nem demos bola, pois estávamos absortos contando o que se passara nas horas em que estivemos apartados. À noite, encontramos minha amiga Simone, que morava em Paris havia 3 anos. Ela disse que isso é outro golpe. Uma pessoa “acha” um anel no momento em que o turista passa. Aí ele fala: achamos juntos, vamos dividir o dinheiro, etc.
  • Anos antes, em Barcelona, sofri um golpe distinto. Estava com duas amigas. Em uma sanduicheria cheia de gente, estilo Subway, compramos a comida e fomos nos sentar. Como éramos 3, colocamos todas as bolsas na quarta cadeira. De repente nossas bolsas caíram e um homem se levantou da mesa em frente. Pegamos as bolsas depressa, sem entender direito o que tinha acontecido. Na saída, vimos uma mulher dizendo à polícia como havia sido roubada dentro do estabelecimento. Aí entendemos o truque: o homem senta na mesa atrás de onde há bolsa em cadeira. Ele senta de costas para a cadeira com a bolsa. Tira o paletó e pendura atrás da cadeira dele (que toca a outra cadeira). Depois, ele tira o paletó e sai. Mas quando tira o paletó, usa o mesmo para cobrir a bolsa que ele leva da cadeira…

 

As dicas então são:

– Não dar papo para estranhos na rua (como já dizia minha mãe… )

– Se estiver absorto em alguma atividade, como contemplando uma beleza ou tirando fotos, fique com sua bolsa dentro do seu campo de visão.

– Ao ler mapa ou guia, procure encostar-se a uma parede, não deixando espaço para alguém vir por trás sem você perceber.

– Desconfie de pessoas muito próximas sem razão.

– Por fim, confie em sua intuição. Se bater a voz de “peraí, tem algo errado”, verifique seus pertences e se afaste.

Placa nas ruas de Tallin, capital da Estônia. Nem precisa entender o que o NB significa, a imagem diz tudo.

Placa nas ruas de Tallin, capital da Estônia. Nem precisa entender o que o NB significa, a imagem diz tudo.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 899 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: